Antes e depois do intercâmbio

Hoje eu vim escrever sobre a Morgana de antes e depois do intercâmbio.

Eu sei que esse assunto pode ser um clichê ou que talvez vocês já tenham lido relatos de como as pessoas viveram essa experiência e as mudanças que ela traz… Mas o intercâmbio foi e sempre vai ser uma das partes mais importantes da minha vida, então sinto a necessidade de falar sobre isso pra vocês.

Leiria, minha casa durante os meses em Portugal

Entrei na faculdade sem a ideia de fazer um intercâmbio, sinceramente nunca tinha pensado muito nisso. Com o tempo eu vi pessoas próximas a mim se inscrevendo e indo desbravar o mundão, foi aí que o desejo surgiu. Pesquisei as oportunidades oferecidas pela minha universidade e resolvi tentar vaga para uma bolsa em Portugal. Conversei com a minha família sobre o assunto, pois precisaria de ajuda financeira, e fui super apoiada, desde que conseguisse a bolsa. Me inscrevi no processo seletivo sem muita esperança de conseguir passar na primeira tentativa e pra minha surpresa fui aceitaaaa. Só alegrias. Em momento algum eu senti medo ou dúvidas, eu só ansiava pelo novo, tinha uma voz dentro de mim que pedia pra ser ouvida.

Organizei os trâmites, documentos, solicitei o visto, conheci as meninas que viajariam comigo, tudo lindo. Até o momento em que as duas já tinham recebido seus vistos em casa e eu ainda não, sem previsão. Na época eu morava em Lajeado, no Rio Grande do Sul, e nossos passaportes iam para São Paulo para o processo de visto. Comecei a ficar nervosa, a viagem tava se aproximando e nem previsão do meu passaporte com o visto chegar. Duas semanas antes, nada. Uma semana antes, nada. Coração na mão. Foi aí que eu e minha família decidimos que eu iria fazer um bate e volta sozinha de POA a São Paulo pra ir buscar o bendito visto. Desafio número um dessa nova fase da vida, porque eu não conhecia São Paulo e nunca tinha viajado de avião sozinha. Mas, lá fui eu… Uns três ou quatro dias antes do meu voo pra Portugal. No fim das contas deu tudo certo, voltei de São Paulo com passaporte e visto na mão.

Embarquei pra Portugal MUITO FELIZ, tinha em mim a sensação de que tudo seria incrível. E foi, gente. Eu já tinha um apreço enorme por viagens e a vontade de conhecer o “novo”, mas o intercâmbio fez isso chegar a níveis muito maiores.

Lisboa – Portugal

Eu poderia escrever sobre cada detalhe, cada nova experiência que tive, mas eu ficaria aqui por horas e horas. É coisa demais, vou tentar resumir.

Os primeiros dias foram de muita adaptação, a começar pela língua. Ok, é o mesmo idioma. Mas gente, o sotaque é completamente outro e custa até a audição se acostumar e conseguir acompanhar um ‘portuga’ falando normalmente. Mas sim, é questão de uns poucos diazinhos e tu já consegue te familiarizar, até com as gírias e expressões. Depois disso, tinha o inglês, que falávamos praticamente todos os dias com os outros intercambistas. Credo! Meu inglês era péssimo hahaha. Não que hoje em dia eu seja fluente, longe disso, mas o meu inglês era de chorar quando cheguei lá kkk. Tinham coisas que só com mímica pra me fazer entender. Mas isso também não demorou a mudar, a prática faz o sucesso 🙂

Outro ponto foi a diferença nos alimentos, a conversão da moeda, a diferença no comércio, essas coisas normais que um novo lugar sempre apresenta. Sorte minha (e das meninas) que tínhamos pessoas ÓTIMAS nos ajudando por lá. Brasileiros, portugueses, outros intercambistas… Pessoas lindas e solícitas, amigos. Ah, os amigos. Em situações como essas, eu acho que tudo se amplifica, né? Conheci pessoas lá que eu vou levar pra sempre no coração. Uns que se mantém perto até hoje, outros que se mantém no coração.

Amigos na Queima das Fitas de Coimbra – PT

No intercâmbio o meu sentimento com o mundo cresceu muito. Como assim, Morgana? Eu aprendi a ver e sentir as coisas ao meu redor. Os detalhes, por mais pequenos que fossem, passaram a me tocar de alguma forma. Quase nada mais passa despercebido por mim. Eu vejo, eu sinto. Me tornei uma pessoa mais sensível. Passei a me encantar com coisas pequenas, fossem gestos, lugares, sabores, sentimentos, aromas… Eu me abri pro mundo, deixei que as coisas tocassem meu coração. Me doei pras possibilidades e, de quebra, criei uma conexão comigo mesma. Eu aprendi a ser muito mais minha e dos meus sentimentos, antes de ser qualquer outra coisa.

Eu conheci culturas, lugares, pessoas… Mas, acima de tudo, me conheci. Ao deixar minha cidade e ir pra Portugal, eu deixei pra trás um estilo de vida, sem saber. Eu me encontrei, me renovei. Não, eu não amadureci tudo que eu deveria naqueles 6 meses, mas foi o ponto de partida. Eu S-E-M-P-R-E digo que tudo é construção, pessoal e social. A gente é tudo aquilo que nos cerca e nos toca, a gente é tudo aquilo que a gente viveu. Dores e alegrias. E, pra mim, o intercâmbio foi o tempo de descobrir que eu não gosto de ter raízes, que minha casa é onde meu coração está e que eu sou meu próprio lar.

Aqui em Porto Alegre, em Portugal ou em qualquer lugar, eu procuro por movimento, mudança, renovação, evolução. Me incomoda cair na mesmice e as viagens são o que me salvam de uma vida “monótona” de trabalhar e ter rotina. Viajar é o que me proporciona borboletas no estômago, é o meu tipo de aventura. Tá tudo lá fora, nesse mundão gigantesco e maravilhoso, nas ruelas das cidades que imploram por serem descobertas, nos sorrisos e no semblante dos desconhecidos que cruzam pela gente uma única vez na vida, sabe-se lá onde. É isso que me move. Obrigada, intercâmbio, por despertar a melhor parte de mim.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s